6.12.11

Carrier IQ: Quando o celular revela os segredos

Carrier IQ, software que ameaça a privacidade de quem usa smartphone

carrier-iq - Apocalipse Em Tempo Real O pesadelo da vez para quem usa smartphone e valoriza sua privacidade atende pelo nome Carrier IQ. Desta vez, as vítimas potenciais são os usuários de celulares Android. É um software que já vem pré-instalado em alguns aparelhos e tem como vigiar rigorosamente tudo que o dono do telefone faz. Inclua-se na lista até a senha do banco para quem verifica o extrato.

É fácil checar se o aparelho tem o programa. No Android Market, busque o app gratuito Carrier IQ Detector, criado pela empresa Lookout Labs. Baixe, instale, rode. Se estiver lá, é hora de ligar para a operadora e cobrar primeiro sua retirada e, na sequência, explicações sobre como era usado.

Por enquanto, a RIM, fabricante do BlackBerry, nega que seus aparelhos sejam portadores do Carrier IQ. Nokia diz que não autoriza a instalação. E a Apple informa que, desde a atualização do iOS para a versão 5, ele foi limado dos iPhones. Antes podia estar lá.

Não se trata de vírus. É software legítimo, instalado por fabricantes dos aparelhos ou operadoras. As preocupações a seu respeito surgiram da análise do especialista Trevor Eckhart, tornada pública semana passada.

Testando um telefone HTC em condições controladas, ele percebeu que o programa Carrier IQ estava rodando o tempo todo e gravava todas as ações de um usuário, inclusive quais teclas eram digitadas. Rodava, porém isso não era transparente para o usuário. Nada informa que o software está instalado, rodando. Não há como interromper sua operação. Ele se inicializa quando liga o celular e roda até que seja desligado o aparelho.

Registra tudo e pode enviar o resultado para a operadora.

O objetivo de Carrier IQ é legítimo. Trata-se de um software para diagnóstico. O usuário liga para o fabricante ou operadora reclamando de um problema. O técnico busca tudo o que foi feito no aparelho e em que sequência para tentar descobrir o que houve de errado. Parece inocente, claro. Mas quem compra o celular não é informado sobre seu potencial de diagnóstico ou sobre quais as políticas da operadora para lidar com as informações. O cliente é gentilmente poupado das informações técnicas.

O problema não é o Android. O celular que armazenava todas as andanças de seus donos em mapas detalhados era o iPhone. A empresa que de presto se prontificou a ajudar a polícia inglesa a bisbilhotar as conversas dos jovens britânicos que organizavam os protestos (e saques) nas ruas de Londres foi a RIM. É da natureza de celulares que, sem querer ou de propósito, eles deixem nossa vida privada pelo menos com o risco de ficar mais exposta. A vida tecnológica é dura.

Não há o que fazer. Fizemos já essa escolha. Temos nas mãos ferramentas de comunicação inimagináveis há poucas décadas. Elas estão transformando a sociedade por completo: nossos hábitos, nossa economia, nossos valores. Uma escolha num lado afeta o outro.

A privacidade está acabando por inúmeros motivos. Primeiro é porque nos expomos mais. As fotos de nossos filhos já são vistas por mais pessoas que as viam antes. (Não à toa, quanto mais velha a pessoa, mais reticente ela é em publicar esse tipo de coisa no Facebook.) Segundo, porque fazemos compras na internet. É conveniente. Terceiro, porque já não compramos como comprávamos antes. Fazer pesquisa de preço ou sobre a confiabilidade de produtos é muito mais fácil. Quem vende também tem maneiras de se defender das mudanças. Usando a mesma informação que salpicamos pela rede, percebem nossos padrões de comportamento e consumo. Fazem com que o link daquele produto apareça no momento certo. A polícia quer os mesmos dados para perceber nossos desvios.

Estamos tão no início desta mudança que a maioria das tecnologias engatinha. De vez em quando, um teste meio secreto de uma tecnologia vira um desastre de relações públicas. Ele é abafado, aparece ali na frente com outra forma, um quê mais refinado. Quem é do ramo sabe que a mudança já aconteceu. Só demora um pouco para todos nos habituarmos a ela. É a lição de Mark Zuckerberg, do Facebook. Forçando a barra, aos poucos, a gente cede.

Por: OGLOBO

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Maxwell Palheta | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Walgreens Printable Coupons