24.8.11

Maçonaria – Do outro lado da luz – parte 6

maconaria - ApocalipseEmTempoReal[2]O VERDADEIRO NOME DO DEUS DA MAÇONARIA

Na publicidade há uma prática conhecida como "vara e anzol". Uma loja anuncia um item a um preço fantástico. Todavia, quando o consumidor chega na loja, descobre que o item já foi vendido. Mas por "coincidência" a loja tem outro item em estoque que é muito semelhante, mas que não está na promoção.

A natureza humana sendo como é, o comprador está tão decidido a comprar o item pelo qual ele veio que irá comprar o mais caro ao invés de ficar sem.

Na franco-maçonaria essa prática é realizada todo o tempo. A única diferença é que, tratando-se de religião, a Comissão de Direitos do Consumidor não se envolve. Que pena!

O candidato, desde o primeiro grau, é levado a crer que lhe irão ser comunicados segredos importantes – segredos tão estrondosos que devem ser protegidos por juramentos solenes sobre a Bíblia, e sérios o suficiente para serem cobertos por penas capitais. Após fazer o juramento, aprende um cumprimento secreto e uma palavra que é facilmente encontrada no Antigo Testamento (Boaz). Um conjunto similar de "segredos" lhe é comunicado no segundo grau.

Ambos os graus custam dinheiro (e isso não é simbólico). Quando passei por eles no meio da década de 70, custavam cerca de cinqüenta dólares cada para os graus da Loja Azul. Isso significa que o maçom no segundo grau tem, no mínimo, cem dólares a menos!

A expectativa do candidato é edificante. No segundo grau ele aprende quais são as profissões liberais, e que a letra "G" representa Deus [God, em inglês] e a geometria (ou ele pensa que aprende essas coisas). As profissões liberais podem ser encontradas em qualquer enciclopédia, e não é necessário ser um gênio para perceber que geometria e "God" começam com "G".

Quando o candidato desembolsa outros cinquenta dólares ou algo assim, e faz um trabalho mental árduo de memorização, incluindo o juramento de sangue do segundo grau que se estende por seis longos parágrafos, ele está pronto para o segredo máximo da maçonaria (ou assim ele pensa). Aqui é onde entram a "vara e anzol".

Ele é conduzido através da agitada iniciação do terceiro grau. Após isso lhe é dito que o grande SEGREDO da maçonaria, o nome sagrado de Deus (que é guardado por horas de ritual e três juramentos arrepiantes) foi perdido para sempre! Ele acabou de descolar pelo menos cento e cinquenta dólares e investiu meses para aprender que a "Palavra do Mestre" perdeu-se.

Ao invés, lhe é dada uma palavra substituta, "Mah Hah Bone", que é sussurrada em seu ouvido enquanto abraça o Mestre da Loja nos Cinco Pontos da Fraternidade.

APRENDENDO O VERDADEIRO NOME DE DEUS

A maioria dos maçons não sabe o que esperar no caminho dos segredos. Talvez a maior parte não esteja realmente desapontada, visto que a maioria deles juntou-se à Loja pelas razões mais superficiais: prosseguir e entrar no Templo (onde estão todos os convites), ou por uma carreira profissional posterior.

Contudo, se você frequenta as reuniões da Loja Azul por tempo suficiente (geralmente umas duas semanas bastam), aprende que há graus mais elevados que o Mestre Maçom pode atingir.

Esses graus prosseguem em uma das duas formas da franco-maçonaria americana. Geralmente, um dos seus irmãos maçons irá encorajá-lo a unir-se ou ao Rito de York ou ao Rito Escocês. Aqui, dizem-lhe, você aprenderá segredos realmente valiosos.

Essa é a "vara e anzol", visto que estes graus mais altos invariavelmente custam mais dinheiro. O custo por grau é menor, mas ambas as confluências na estrada da franco-maçonaria podem levar o maçom muitas centenas de dólares além do que ele já tinha pago.

Caso se perceba que o novo Mestre Maçom é cristão, provavelmente será direcionado ao Rito de York, visto que tem os "graus cristãos". Se for um maçom mais secular, ou talvez um pouco apressado, ele é aconselhado a seguir o Rito Escocês, que lhe projeta através dos vinte e nove graus num par de fins-de-semana, e o habilita a ir em frente e integrar-se ao Santuário (organização para-maçônica norte-americana).

O Santuário é ainda mais caro, mas é a parte "divertida" da maçonaria, dizem-nos. Permite-se aos homens embebedarem-se lá, e circularem com uns carrinhos divertidos em desfiles – espera-se que não ao mesmo tempo!

Nestes dois "corpos superiores", o conteúdo dos segredos maçônicos começa a tomar um tom mais solene. No Rito de York, em especial, o candidato maçônico percebe que ele está passando a adquirir conhecimento de uma natureza profundamente mística. Ele aprenderá o nome verdadeiro de Deus!

Essa é supostamente a "Palavra do Mestre" que foi perdida para sempre, mas que é milagrosamente recuperada quatro graus (e duzentos dólares) depois. Isso deveria ser excitante para quase todos, inclusive para o maçom que está dentro só por causa dos convites ou da influência.

No grau do Real Arco, a peça fundamental do Rito de York, o candidato é conduzido através de um drama no qual ele supostamente adentra a câmara sob as ruínas do Templo do Rei Salomão durante o tempo do retorno dos israelitas do exílio babilônico.

Dentro dessa câmara, ele e dois companheiros descobrem a Arca perdida da Aliança. No topo da Arca está uma prancha dourada sobre a qual está gravado "Grande Santa Palavra do Real Arco".3 Isso está escrito em um alfabeto com cifras arcanas que o candidato não consegue ler. Dizem-lhe que é o nome de Deus em três línguas.

Sob o "Real Arco", uma posição especial envolvendo três "companheiros" do Real Arco, essa palavra é comunicada como o nome inefável de Deus – perdido com a morte do Grande Mestre Hiram Abif no terceiro grau, mas agora restaurada no grau do Real Arco.

O nome fornecido é JA-BUL-ON. O Sumo Sacerdote do Real Arco diz que este é "o Logos divino, ou 'Verbo', mencionado em João 1:1-5."

Esse nome estranho supostamente é o nome verdadeiro da deidade da franco-maçonaria, finalmente revelado! É tão "sagrado" que só pode ser revelado na presença de três maçons do Real Arco, ajoelhado sob o Real Arco formado pelas suas mãos que se alcançam mutuamente! Este é um assunto denso.

A TRINDADE ÍMPIA

O candidato do Real Arco é levado a crer que este é o nome perdido de Deus que costumava ser pronunciado com grande solenidade pelo Sumo Sacerdote do Templo no Santo dos Santos. Isso é refletido pelo fato de que o oficiante principal no capítulo do Real Arco é chamado de Sumo Sacerdote, e até mesmo veste uma imitação das insígnias do Sumo Sacerdote judaico quando é feito o trabalho ritual.

É o nome inefável de Deus (pelo menos do deus maçônico) e é, de fato, assustadoramente secreto. Porém, em nossa pesquisa do deus da maçonaria, é também uma pista importante. A análise do nome, conforme apresentado ao candidato, revela algumas associações perturbadoras para qualquer um que esteja preocupado com a verdade bíblica e com a reverência devida ao nome de Deus.

JAH (a primeira sílaba) representa o nome Yahweh ou Jeová, o nome do Deus de Abraão, Isaque e Jacó.

Esse nome é tão altamente reverenciado que aparece apenas umas poucas vezes na Authorized Version (em inglês, Versão Autorizada), como por exemplo no Salmo 68:4 e no uso da palavra Aleluia, que significa "Louvai a Jah!" Até aí, tudo bem.

BUL (a segunda sílaba) representa o nome Baal ou Bel. É o nome do deus de Jezabel e Acabe, que talvez tenha sido o casal mais iníquo de todos os que sentaram no trono de Israel (I Reis 16:29-33).

ON (a sílaba final) representa o nome do deus-sol egípcio. É o nome de sua cidade sagrada, Heliópolis (em grego, cidade do sol), no Egito (Gênesis 41:45, 50).4 Esse é o deus de Faraó!

Imagino quão feliz o Deus da Bíblia está com a blasfêmia do Seu nome – um nome tão santo que pessoas foram apedrejadas por tomá-lo em vão – tão santo que só poderia ser falado no Lugar Santíssimo do Templo – tão santo que os piedosos escribas judeus através dos séculos não ousavam escrevê-lo nos seus textos devido ao temor extraordinário, e no lugar, colocaram o nome "Adonai" ou "Senhor". Este é o mesmo nome do qual Deus disse: Não tomarás o nome do SENHOR, teu Deus, em vão, porque o SENHOR não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão (Êxodo 20:7).

Quão satisfeito você crê que Deus está com esse mesmo nome sendo lançado num compactador de lixo metafísico e batido junto numa confusão mistificante com dois dos ídolos mais notórios do Antigo Testamento?

Não é necessário ser um erudito bíblico para ver que o deus representado por esse "Grande Santo Real Arco" é uma trindade muito ímpia.

Ele também representa uma destilação perfeita da atitude para com Deus, conforme notada no último capítulo, onde ficou claro que provavelmente qualquer deus deve servir para um maçom. Aqui se dá realidade concreta àquela realidade.

Lembre-se que o ritual acima identifica esse Ja-Bul-On com o "Verbo" de João 1. Até mesmo a leitura mais superficial de João 1, especialmente do versículo 14, revela que o Ser referido é Jesus Cristo, e não essa monstruosidade teológica de três cabeças! Na melhor das hipóteses, é a coisa mais blasfema identificar Jesus, a quem a franco-maçonaria recusa a adorar, com uma deidade que é dois terços satânica!

É evidente que esse Ja-Bul-On não é o Deus da Bíblia. E se ele (ou isso) não é Deus, deve ser um falso deus – uma máscara de Satã.

O ANJO DO ABISMO

Essa é uma declaração bem provocante e, infelizmente, não é difícil encontrar apoio para ela. Para começar, examinaremos brevemente a outra "confluência" na estrada maçônica, o Rito Escocês.

No grau dos Cavaleiros do Oriente e do Ocidente (17°) no Rito Escocês, há muitos ensinos insalubres e iníquos, mas cobriremos um só. Assim como Jabulon é o nome sagrado do grau do Real Arco (do Rito de York), há também uma palavra sagrada no 17°.

Esse nome é Abaddon. Um passeio rápido pelo Novo Testamento revelará que, de acordo com a Palavra de Deus, não há nada de sagrado no nome Abadom.

e tinham sobre eles, como seu rei, o anjo do abismo, cujo nome em hebraico é Abadom, e em grego, Apoliom (Apocalipse 9:11).

Esses dois termos significam "destruidor", e o anjo do abismo é Abadom [em inglês, Abaddon], outra palavra para Satanás, a quem Jesus identifica (João 10:10) como o que vem para roubar, matar e destruir! Que palavra sagrada!

Essa não é a única evidência para identificar o deus da maçonaria. Várias referências ambíguas (e nem tão ambíguas) são feitas nos escritos de alguns dos maçons já citados. Albert Pike, atualmente o maçom mais elevado nos Estados Unidos, escreveu o seguinte:

Lúcifer, o Portador da Luz ! Nome estranho e misterioso para se dar ao Espírito das Trevas! Lúcifer, o Filho da Alva! Será ele o que traz a Luz, e com seu resplendor insuportável cega as Almas fracas, sensuais ou egoístas? Sem dúvida que não! Pois as tradições estão cheias de Revelações Divinas e Inspiração, e a Inspiração não pertence a uma Era, nem a um Credo.

Apesar desta declaração ser de uma ambigüidade genial, devemos lembrar que a coisa buscada em cada iniciação maçônica é "LUZ".

A pergunta que se faz ao iniciado no momento crítico é sobre o que ele mais deseja. Impelido pelo Diácono, o candidato diz "Luz" no primeiro grau, "mais luz" no segundo grau, e assim sucessivamente.7 Não é portanto sem sentido que esse eminente maçom nos diga que Lúcifer é a fonte desta luz.

Em outro lugar, escrevendo sobre Satã, Pike ensina que ele:

...não é uma pessoa, mas uma Força, criada para o bem, mas que pode servir para o mal. É o instrumento da Liberdade ou do Livre Arbítrio.

Representam esta força, que preside a geração física (isto é, o sexo), sob a forma mitológica e chifruda do Deus PAN; de onde provém o bode do Sabbat (festa de bruxas), irmão da Antiga Serpente e Portador de Luz, ou Fósfor, do qual os poetas fizeram o falso Lúcifer da lenda.8

Pike também é citado como fornecendo a seguinte instrução num concílio de franco-maçons de nível muitíssimo elevado:

A religião maçônica deve ser, por todos nós iniciados do alto grau, mantida na pureza da doutrina Luciferina.

Caso Lúcifer não fosse Deus, iria Adonay [assim está escrito], cujas ações provam sua crueldade, perfídia e ódio pelos homens, barbarismo e repulsa pela ciência, será que Adonay e seus sacerdotes o caluniariam?

Sim, Lúcifer é Deus, e infelizmente Adonay também é deus. Pois a lei eterna é que não há luz se não houver sombra, não há beleza sem a feiúra, não há branco sem o preto, pois o absoluto só pode existir como dois deuses: as trevas sendo necessárias como moldura para a luz assim como o pedestal é necessário para o que é imponente...

Desta forma, a doutrina do Satanismo é uma heresia; e a religião filosófica pura e verdadeira é a crença em Lúcifer, o equivalente de Adonay; mas Lúcifer, Deus de Luz e Deus do Bem, está batalhando pela humanidade contra Adonay, o Deus das Trevas e do Mal.

Pike não está só, ao rufar os tambores por Lúcifer. O erudito maçônico Manly P. Hall escreve:

Quando o maçom descobre que a Chave do valentão do pedaço é a aplicação apropriada do dínamo da força vital, ele aprendeu o Mistério da sua Arte. As energias ferventes de LÚCIFER estão em suas mãos e antes que ele possa caminhar avante e para o alto, deve provar sua habilidade para aplicar apropriadamente esta energia.

DEIXANDO AS MÁSCARAS CAÍREM

Os maçons estão numa busca por luz. Mas parece que fazem tudo quanto podem para desviar-se de Jesus, que disse: "Eu sou a Luz do mundo." Essas citações podem pasmar a pessoa que pensa que os maçons são uma ordem simpática de homens que ajudam crianças inválidas.

Foi amplamente demonstrado a partir de fontes com autoridade, os livros de ritual, que a franco-maçonaria não adora o Deus da Bíblia.

Francamente, resta apenas um outro ser que podem adorar – quer eles o chamem de Grande Arquiteto ou Jabulon. Ainda é Satanás, residindo por trás das máscaras desses outros nomes.

 

Leia também:

O DEUS "GENÉRICO" DA MAÇONARIA – PARTE 5
MAÇONARIA – DO OUTRO LADO DA LUZ – PARTE 4
MAÇONARIA – DO OUTRO LADO DA LUZ – PARTE 3
MAÇONARIA – DO OUTRO LADO DA LUZ – PARTE 2
MAÇONARIA – DO OUTRO LADO DA LUZ – PARTE 1

0 comentários:

Postar um comentário

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Design by Maxwell Palheta | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Walgreens Printable Coupons